Posts Tagged ‘Talita Denardi’

Primeiro, todo mundo cantando comigo:

Ai, que lindo, né, gente? Tinha esquecido o quanto gostava dessa música.

Tá, então, tô aqui para falar de comida, né? Faz um tempo que eu queria falar do Smoky Jô mas eu queria voltar lá antes para conferir os preços e tudo e tal. Fomos eu, Gutierrez e Tata nesse sábado à tarde.

Bom, é sempre uma delícia comer lá. O Jô em si te atende e é superatencioso. A produção das carnes defumadas é caseira e é tudo uma delícia. Eu comi a Feijô (vem a cumbuquinha de feijoada, couve e arroz – R$ 15 aos sábados), a Tata pediu um pastrame e o Gutierrez pediu o prato mais caro, que é uma carne (no caso dele, pernil) mais arroz defumado e uma salada (no caso dele, folhas verdes). Dá R$ 20 e pouco.

O mais legal do Smoky Jô são os molhinhos. Eu adoro. Ele deixa na mesa de três a quatro pimentas diferentes, mais um vinagre com damasco, mais um azeite com alho, mais um molhinho de ervas, mais… Ou seja, você brinca de temperar comida. Eu fico pingando de um tudo no meu prato, fazendo experimentos, me divirto pencas.

Sugestões bacanas: como sobremesa, vale pedir uma pinguinha – tem várias, muito gostosas – ou o abacaxi curtido na jurupinga, que já virou clássico do lugar. O Jô também é freqüentado no almoço durante a semana pelo povo que trabalha em Pinheiros – uma ótima alternativa, mesmo.

Serviço
Smoky Jô
R. Mourato Coelho, 25, Pinheiros, São Paulo – SP.
Tel. 11-3061 1085
http://smokyjo.zip.net/

Jorge Wakabara

Anúncios

Quem me conhece e já me perguntou algum dia sobre o meu restaurante japonês preferido já sabe. Eu sempre respondo na lata: Yamaga. Ele não é da moda, eu não faço idéia do nome do sushiman, e ali não existe espaço para invenções bizarras do tipo sushi de morango. Aliás, nem hot roll eu vi por lá. That means tradition, baby (eu falaria isso em japonês se soubesse como).

Por que eu gosto do Yamaga? Porque o sashimi tem um corte lindo, o tamanho certo e é sempre delicioso. Porque eles variam os tipos de peixe cru horrores – já comi vários por lá que eu não faço idéia de como chamam, mas são todos deliciosos. Porque lá não tem frescura. Porque o sushi é gostoso e feito com capricho, sem parentesco algum com aqueles sushis de rodízio que a gente está acostumado a comer.

Só que sempre existiu essa mítica de que o Yamaga era um lugar para eu ir com meus pais, porque afinal ele era caro. Mas era tudo mentira, minha gente! Fui lá com a Tata dia desses e me surpreendi ao olhar o cardápio: um combinado individual custa em média R$ 25, um pouco mais… Ou seja: um pouco menos do que você gastaria num rodízio decente, e OK – você não vai sair rolando que nem você sai do rodízio, mas você estará comendo um sushi infinitamente superior, então não reclama!

Na verdade a minha dica é ir em quatro amigos e pedir aquela barca enorme de sushis – custa menos de R$ 150, o que, dividido por quatro, dá um pouco mais de R$ 30. Na conta final, com bebida etc., vai dar uns R$ 40 para cada – mas eu juro que vale cada centavo. Juro. Não tô ganhando para falar isso, não, é sério!

Fora que existe uma regra essencial para o restaurante japonês: os bons são freqüentados por japoneses. Se você não viu nenhum japonês cliente lá dentro, desconfie. No Yamaga, sempre tem japonês.

Serviço
Yamaga
R. Thomas Gonzaga, 66, Liberdade, São Paulo – SP.
Tel. 11-3275 1790

Jorge Wakabara