Posts Tagged ‘São Paulo Restaurant Week’

Eu sei que eu fiz um texto todo ranzinza falando mal do São Paulo Restaurant Week. Acontece que agora eu vi alguns dos restaurantes participantes no Guia da Folha e tipoassim QUERO MORRER, dá vontade de ir em vários.

Pior que tem um monte que é em Pinheiros, tipo dá para ir a pé da minha casa, e que eu nunca fui! Veja aí:

O Wolfsgarten fica na Lisboa.
O Aguzzo, na Simão Álvares.
O AK – que eu já sabia que estava participando – na Mateus Grou.
O Gardênia é na pracinha da FNAC (só que ele só está participando na hora do jantar, que é bem mais cara – R$ 39).
O La Marie fica na Francisco Leitão, perto do meu ex-colégio (q?).
Lola Bistrô fica na Purpurina, mas não é tão perto não.

E agora? Bom, agora eu vou tentar ir em pelo menos mais de um. A vantagem do SPRW (já que eu já destrinchei todos os pontos negativos) é que é uma boa oportunidade de você conhecer lugares que sempre quis ir, mas nunca quis ficar R$ 100 mais pobre. Para quem gosta de comer – que nem eu – mas não tem muita grana, é tipo ACONTECIMENTO.

Agora vou aproveitar para chochar outra coisa. GENTE, como a parte de restaurante do Guia da Folha é um desserviço, né?? Não tem preço de quase NENHUM prato. Só aqueles cifrõezinhos metidos a besta – um cifrão sabe o quanto que dá? Menos de R$ 30! Tipo, tudo que for menos de R$ 30 é superbarato! Fora de realidade, né?! Sendo que, em cada edição do Guia, tem no máximo dois restaurantes com um cifrãozinho. A parte de gastronomia do Guia da Folha não é um guia, é crítica gastronômica. E a parte de gastronomia do Guia da Folha é a parte mais elitista de todo o Guia. Por quê? Só Deus e Josimar Melo sabem… O público do SPRW, por exemplo, não é o público do Guia da Folha. Não é esquisito?!

Anúncios

As notícias que chegam aqui no blog não são muito boas. As pessoas estão achando que o São Paulo Restaurant Week é meio te-enganei.
Vou explicar: ontem acabei não vindo para redação porque estou gripado, mas a Vic foi no Trindade mesmo assim com o namorado dela. Aí diz que é só uma opção de prato por pessoa – isso já é meio truque, né, porque você vai até o restaurante, senta, e de repente se não gostar da opção promocional pode até acabar pagando mais caro por um outro prato, só para não perder a viagem.
Mas tudo bem: mesmo assim você foi, escolheu o prato promocional… e descobriu que a conta deu muito mais caro por causa da bebida e do couvert. Não se enganem, amiguinhos: pode ser que você pague muito mais que R$ 25 – o preço parece superconvidativo para nós, pobres que também comem, mas de repente pula para R$ 35. R$ 35 para não ter pelo menos três opções? Pelo que a Vic disse, lá no Trindade as pessoas nem cogitavam que você não iria querer o couvert – e isso te deixa sem graça para dizer “não, obrigado, não quero o couvert”.

Seria legal se o SPRW revisse algumas regrinhas, né? Ou o preço poderia abaixar um pouco – e atingiria muito mais gente – ou pelo menos eles poderiam oferecer mais opções no cardápio promocional (duas ou três). E poderiam treinar os garçons de modo que eles tivessem em mente que receberiam um outro tipo de público naquele período, portanto precisam perguntar coisas, como por exemplo… “você quer couvert”?

Eu super tinha esquecido da São Paulo Restaurant Week!
Apesar do nome bem cafona claramente inspirado naquele evento de modasss, comer durante a SPRW é o MÁ-XI-MO! Obrigado, Vic, por ter me lembradooo!

Para quem não conhece essa maravilha, funciona assim: desde ontem até 09.03, tem uma lista de restaurantes que vai cobrar R$ 25 por um prato no almoço ou R$ 39 no jantar. São menus específicos para cada lugar, mas a lista é grande – dá para ver ela completinha no site.
No ano passado eu fui com a Tata no Gato que Ri – era meu sonho ir naquele lugar no Arouche com aquele gato absurdo rindo. Que eu me lembre, a bebida não era inclusa, não, mas não tenho certeza! Pode ser que varie de lugar para lugar.

Agora, MARIANA: AK DELICATESSEN POR R$ 25 JÁÁÁÁÁÁ!!! E vou ver se convenço a Vic a ir no Trindade, que fica quase na frente do trabalho – se eu for eu conto procês.