Posts Tagged ‘pastel’

Gente, Jorge já fez um post sobre este restaurante há tempos atrás, mas informação nunca é demais, né… 

Ali no comecinho da Mourato, longe dos bares, perto da rua dos Pinheiros, tem um sobradinho que é o China Massas Caseiras. É um lugar bem simples e se você não olhar com atenção, vai passar reto achando que é qualquer coisa, menos um restaurante. Ah, e o lugar é super movimentado.

Como todo restaurante chinês (e italiano), os pratos são mais que bem servidos e a meia porção serve 2 pessoas fácil. O pastel é ótimo, é grandinho e não é exatamente um guiozá. Tem até uns recheios diferentes, mas eu e minha companhia de garfo votamos pelo tradicional (carne de porco). Uma porção com 6 pastéis roubou um pouco a cena do frango xadrez + arroz primavera que veio depois, mas não decepcionou ninguém.

A conta deu algo em torno dos R$25 pra cada, considerando 2 pessoas com fome, que pediram cerveja, porção de entrada e dois 1/2 pratos. E ainda dava pra levar o que sobrou pra casa, mas fomos preguiçosos.

Agora eu preciso voltar lá pra provar a tal da massa caseira, né?

Serviço
China Massas Caseiras
R. Mourato Coelho, 140, Pinheiros, São Paulo – SP
Tel. 11-3085 7111 (delivery)
Horário: De seg., ter., qui., sex. e sáb. das 11h30 às 14h40 e das 18h30 às 22h30 // Dom. das 11h30 às 15h30 e das 18h às 22h.

Natalli Tami

Trabalhar na região do Itaim é uma coisa que pode ser infernal ou genial – depende do ponto de vista. Em termos gastronômicos, o lado bom são as várias opções de restaurantes e padarias, mas o lado ruim é o preço, em geral um pouco salgado para refeições que não mereciam uma parte tão gorda de nosso suado salário…

Uma opção interessante é o restaurante Abadia. Não é exatamente barato, mas a comida é muito gostosa. Funciona no esquema de quilo, sempre com ótimas e variadas opções de salada (os molhos são deliciosos!), carne para os carnívoros, coisas vegetarianas para os vegetarianos, arroz, feijão e – uma coisa que me conquista – todo dia tem opção de peixe. Em geral tem também alguma coisa gordurenta e deliciosa, como pastel, batata frita, bolinho de arroz e coisas do tipo. Eu como pouco, em geral gasto uns R$ 8 e como bem; quando estou em dia ‘ogra’ de ser, gasto uns R$ 12.

Entre as bebidas, os sucos custam R$ 3 e a cerveja R$ 4 – mas ninguém aqui vai beber em horário de expediente porque somos funcionários exemplares, né minha gente? Agora, o melhor mesmo é a salada de fruta. A melhor que eu já comi na vida. Não é aquela coisa insossa de um monte de pedaço de fruta picada e jogada de qualquer jeito. Não não não. Eles colocam as frutas numa taça e regam com um suco, acho que de laranja ou coisa do tipo, fica de-li-ci-o-so. Custa R$ 4, 20. Tem também a opção com sorvete, que fica um pouco mais caro (R$ 6). Pra quem quer chutar o balde, tem opções de tortas doces, brigadeiros (aqueles grandes e gordos) e até petit gateau. E tem aquele sistema de que a cada refeição você ganha um cupom – lá eles chamam de ‘indulgência’, brincando com o nome do restaurante -, ai você junta 10 e troca por alguma coisa, que pode ser a própria sobremesa. Dica: fugir do horário de pico – entre 13h e 14h – porque o lugar fica insuportavelmente cheio.

Ah! E aceita VR!

Serviço
Abadia
R. do Rócio, 25, Itaim Bibi, São Paulo – SP
Tel.: (11) 3044-4975

Mari Tavares

Sabe esses lugares meio escondidos e que justamente por serem um achado são tão charmosos? Pois esse é o caso do Bar do Museu, que se esconde num prédio do lado do Copan.

Esse bar é a sede da Associação dos Amigos do Museu de Arte Moderna (AAMAM), então imagine só as preciosidades que tem na parede, né? Volpi, Aldemir Martins e artistas novos, tudo original. O resto da decoração é pra lá de retrô, num clima meio “decadência que já teve sua glória”. A gerente, dona Clarice, é uma figura, com o braço coberto de pulseiras e um anel em cada dedo, tudo de prata e pedras. Sempre de smoking, o garçom, seu João, é um fofo – depende do bom humor dele a quantidade e os sabores dos pastéis que vêm na porção (R$ 8). Esses pasteizinhos, aliás, são uma das poucas opções de petiscos – vale a pena ir lá pra beber mesmo. A cerveja custa R$ 4.

Vira e mexe tem sarau, música ao vivo, projeção de filmes e coisas do tipo. Como o bar fica dentro de um prédio, a entrada só é permitida até as 21h em respeito aos outros moradores (só as 21h mesmo, gente, se chegar 21h05 já não entra); em compensação, não tem muita hora para fechar. E tem umas esquisitices, do tipo: se sexta-feira for feriado, na noite de quinta o bar já não abre… Então vale ligar antes de ir, pra não dar com a cara na porta.

Serviço
Bar do Museu
Avenida Ipiranga, 324, bloco C, sobreloja, Centro, São Paulo – SP.
Tel. 11- 3259 0157

Mari Tavares

Eu sei, estou super ausente. A minha ficou de ponta-cabeça em um mês – o que não interessa a vocês nem vem ao caso! Enfim, estou voltando aos poucos – mas vão rolar poucos posts de minha autoria, uma vez que estou um pouco falido nesses meses.

Mas volto com fuerza total aqui para falar do melhor chinês custo x benefício de Pinheiros. O China Massas Caseiras tem o melhor pastelzinho chinês do mundo! Mentira, do mundo não, mas de São Paulo com certeza é dos melhores, vive virando matéria nos guias da vida.

Eu sempre peço meia porção de queijo e meia porção de carne (bovina). Ele é frito, então os que tem medo de gordura devem passar longe. Muito gostoso, se pedir duas porções para três pessoas já dá uma refeição facinho. Como eu sou um pequeno ogro, quando vou com meus pais peço só uma e ainda completo com uma porção de arroz chop suey e uma porção de frango xadrez.

Geralmente sobra um monte de comida e a gente manda embrulhar. Incluindo suco (tem suco de tangerina!) e tudo o mais, dá uns R$ 30 para cada um. Mas isso se você comer até cair: pedindo meia porção de cada coisa e tal, deve dar no máximo R$ 25!

Serviço
China Massas Caseiras
R. Mourato Coelho, 140, Pinheiros, São Paulo – SP.
Tel: 11-3085 7111

Jorge Wakabara

Seguindo a dica da freguesa Fafá Gallo, vou falar aqui de alguns mercados naturebas que têm comidinhas boas e baratas:

Natural da Terra – com cinco lojas espalhadas em São Paulo, o Natural da Terra possui uma lanchonete/ sushibar com várias delícias. Quando vou lá, vou pelo temaki: gigante, fresquinho e vale por uma refeição. Um de salmão fica uns R$ 14. Aí, outro dia, estava na casa do meu tio e ele trouxe pastéis de lá para fazer um aperitivo. O resultado foi que ninguém almoçou, dado o tamanho “travesseiro” de cada pastel. Ou seja, ninguém sai de lá com fome, isso é certo.
O Natural da Terra tem site, mas vá com tempo, porque é todo em flash, demoradíssimo.

Quitanda – é quase a mesma proposta do NT, mas com o contra de ser meio caro para um supermercado. Todo dia eles servem um buffet de sopas, com três variedades. Infelizmente, eu resolvi ir lá provar bem no dia em que os sabores eram mandioquinha, abobrinha e queijo. Mas a enjoada da história sou eu. No fim pedi um bauru que estava uma delícia, e custava uns R$ 5,90. A coxinha também é muito boa, mas vem nadando em óleo. A pedida é comer os salgados por lá, e fazer como meu namorado e eu, que compramos uma caixa de morangos (as frutas são baratas, ao menos) e uma lata de leite condensado, e fomos terminar o jantar em casa.

Serviço
Natural da Terra
Unidade Moema
Alameda dos Nhambiquaras, n° 3493

Unidade Alto da Boa Vista
Avenida Santo Amaro, n° 6618

Unidade Brooklin
Avenida Santo Amaro, n° 3493

Unidade Itaim
Rua João Cachoeira, n° 1351

Unidade Higienópolis
Rua Rosa e Silva, n° 211

Funciona todos os dias, das 7h30 às 22h, inclusive feriados. Tudo São Paulo.

Quitanda
Unidade Pinheiros
Rua Mateus Grou, n° 159 – Pinheiros
Telefone: (11) 3081-7901

Unidade Lapa
Rua Diógenes Ribeiro de Lima, n° 3029 – Alto da Lapa
Telefone: (11) 3834-4113

Funciona de segunda a sábado, das 7h às 21h, e domingos e feriados das 8h às 18h. Tudo São Paulo.

Bia Bonduki

Nós, pobres que moramos sozinhos, conhecemos muitos restaurantes. É verdade. Principalmente para a hora do almoço – porque só estamos em casa nesse horário se estivermos doentes. Afinal, temos que trabalhar para pagar… a conta dos restaurantes que freqüentamos! Também sabemos quase de cor o telefone de deliverys da região de casa. Mas também somos capazes de fazer a nossa própria comida. Não, não vou convidar ninguém para experimentar as gororobas que faço. Mas já evoluí muito desde que sai da casa da minha mãe e – posso dizer sinceramente – até gosto das atividades no fogão.

Aprendi com o tempo, claro, que para fazer uma comidinha com o mínimo de sabor, é preciso ter em casa alguns ingredientes (no meu caso, alho, cebola, manjericão – é mínimo de sabor, prestou atenção?) e que temperos prontos são uma enganação. O legal é comprar, lavar, picar, fritar etc com as próprias mãos. E toda essa introdução, que já deve ter feito o Jorge dormir [Nota do editor: zzzz], é para falar do sacolão que freqüento. A vida ficou muito mais fácil – e econômica – depois que passei a fazer minhas compras semanais no Sacolão de Higienópolis.

Lá, além de legumes, verduras e frutas, que é o básico de um sacolão, tem carne, peixe fresco, laticínios, vinhos (com preços ótimos e não são aqueles de garrafão, tem vinho chileno, argentino, português), geléias (as Queensberrys custam cerca de R$ 2 a menos do que nos supermercados), cogumelos (porque dá preguiça de ir até o mercado municipal, né?), grãos (linhaça, inclusive, que amo e faz bem principalmente para as mulheres por causa do efeito sobre os hormônios), pão integral, geladeira com Häagen-Dazs, iogurte, requeijão, essas coisas. Vende bandejinhas de sushi – eu nunca comprei porque não tenho coragem… E há um espaço para produtos kosher.

Na parte de fora, tem água de coco, garapa e pastel – ótimo para comer no domingo meio de café-da-manhã-almoço. E flores. Lindas, um monte de tipo. (ai! Fiquei fofa nessa parte do post!). Abre cedo – acho que 8h (mas isso não importa porque duvido que alguém vá cedo!) – e fecha às 20h durante a semana e 13h aos domingos. É dica para quem mora por ali mesmo – Santa Cecília, Vila Buarque e Higienópolis – mas se alguém tiver disposição para pegar carro ou ônibus com sacolas, eu recomendo. Vale a economia de 30%, em média, se comparado ao gasto no Pão de Açúcar.

Serviço
Sacolão de Higienópolis
R. Dona Veridiana, 162, Higienópolis, São Paulo – SP.
Tel. 11-3222 0678

Maíra Goldschmidt 

Continuando a saga “PobreTambémComeAtéEmFortaleza” – aliás, esse assunto vai render, viu? Fui em vários lugares legais por aqui.

Roberto (o meu novo Bob, porque o velho está muito ausente trabalhando no West Side Story e o novo é muito mais chic e é brasiliense) – CONTINUANDO, o Roberto nos apresentou a Balu. É uma doceria bem bacana, não muito barata mas gostosinha de ir tomar um café e comer um doce, tipo a Brunella era no fim dos anos 80, sabe?

Roberto em si pagou R$ 15 por um pastel, um bolinho, um refrigerante e um bolo. Os bolos, aliás, são bem gostosos e a porção vem generosa – a atendente que decide o tamanho do seu pedaço e se você não quiser comer tanto o problema é seu, meu amigo, se vira.

A gente também ficou namorando um bolinho com um camarãozaço empanado que tinha por lá. Mas acho que ninguém chegou a se aventurar e realmente comer.

Serviço
Balu Doces
(não sei se fui na matriz ou na filial e não dá para reconhecer nas fotos do site, vou dar o endereço da matriz)
R. Padre Antonio Tomás, 2133, Aldeota, Fortaleza – CE.
Tel. 85-261 7779
www.baludoces.com.br

Jorge Wakabara

Pra quem ficar na cidade no feriado e não for extrair nenhum 3º molar, que tal comida chinesa diferente de yakissoba?

Esse lugar, o Rong He – restaurante de massa chinesa, pode ser o lado B chinês. Se fosse na China seria normalzinho, bem PobreChinêsTambémCome (porque se fosse RicoChinêsCome, seria sashimi de magurô – atum).

O tchans do lugar, como diz o subtítulo, é a massa chinesa. Feita na hora do pedido, os macarrões podem ser feitos na máquina ou na mão. Como? Vai lá ver, tem um chinês profissa na vitrine, é impressionante.

São vários tipos de sopas / macarrão. Macarrão oriental invariavelmente vem com sopa junto, muita coisa, tudo boiando. O carro-chefe da casa é o Macarrão Apimentado com Frutos do Mar (e carne de porco, que eles não vivem sem): custa R$ 20. Eu sugiro também a Sopa Agre-Apimentada, que tem bastante vinagre no caldo, R$ 18. Tem yakissoba tradicional, mas não é essa a proposta se você está lá. Os pastéis chineses (guiozá e afins) são ótimos também, a porção é considerável e custa R$ 16. Tem também várias conservas tradicionais, de acelga, de bucho suíno e outros vegetais, R$ 6 em média. Se prepara no olfato! (Nota do editor: CRUZES! AAAH! SOCORROOOO!)

Acho que todas as opções do cardápio tem versões vegetarianas, o que é ótimo, porque é um bom lugar pra ir acompanhado de qualquer pessoa “gastronomicamente interessada”, a não ser que você seja glutão. A sua companhia, portanto, pode ser uma pessoa que não come carne!! Todos os macarrões / sopas dão pra três pessoas normais fácil. Ou dois ogros… então a conta fica decente.

O lugar é simples, as mesas são simples, o atendimento é simples. A fila existe e a hostess não deve entender muito português, só na hora de fazer as contas, porque ela também é o caixa. NÃO ACEITA NENHUM CARTÃO. Só dinheiro e cheque.

Serviço
Rong He (Restaurante de Massa Chinesa)
No quarteirão seguinte da Choperia Liberdade, lado direito, não tem placa.
R.da Glória, 622A, Liberdade, São Paulo – SP.

Natalli Tami