Posts Tagged ‘para-rir’

Esse é engraçado!

Bom, é muito difícil a vida da bilu em BH, porque o povo aqui é muito careta. Mesmo em boteco gay, é raro você ver um casal se beijando – se você vir, cuidado, pode ser eu. RISOS.

Então. Aí acontece que ou você vai com o boyzinho para a boate… ou não. Só que se você for cervejeiro e gosta de ficar sentado, acaba em maus lençóis. Ó, E AGORA, QUEM IRÁ ME DEFENDER?
A Villa Paraty, minha gente!

A Villa Paraty é um bar mezzo boate que, pelo que entendi, é mais para meninas só que os meninos também acabam indo. É uma casinha antiga com direito a, CLARO, uma sapatão cantando munida de violão, e lá para trás tem uma parte aberta, tipo quintalzão, com vários “níveis” cheios de mesa – me lembrou a Casa do Espeto aqui de São Paulo em versão menor. Mas para completar a decoração, além das árvores reais, rola um painel com COQUEIROS e o banheiro fica numa casinha TIPO TÍPICA DE PARATI! Juro! Tudo remete à praia! É esquisitíssimo estar num lugar PRAIANO em Minas Gerais, te garanto.

O mais legal da Villa Paraty é que, além das cervejas de garrafa, tem porções! Ó!!! Comi uma de contra-filé cortado aperitivo com fritas. Tinha bastante pedaço com gordura mas mesmo assim valeu a pena, a porção é bem farta e deu para dois numa boa. Tem outras porções que eu não experimentei, mas pela cara delas, olha, vale a pena.

Como tem showzinho, tem couvert também. Durante a semana é mais barato, como fui no feriado saiu R$ 6. Mas olha… a fofa não canta só Madonna e Ana Carolina, não. Rolou até… KATE BUSH! SÉRIO!
E JUSTO WUTHERING HEIGHTS!

Serviço
Villa Paraty
R. Rio de Janeiro, 1309, Centro, Belo Horizonte – MG.
Tel 31-3224 1220
www.villaparaty.com.br

Jorge Wakabara

Anúncios

Eu, Mariana e Raul estamos INDIGNADOS. A gente contou para um caralhada de gente que tomamos café no Ca’d’Oro e neguinho não achou nada demais. “Aquele prédio véio? Que que cês foram fazer lá?!”.

COMO ASSIM, MINHA GENTE?, perguntaria uma personagem de Regina Duarte, indignadíssima com o pouco caso desses paulistanos sem noção. Vocês ignoram esse hotel com 55 anos que já hospedou tipoassim NELSON MANDELA? NAT KING COLE? MITERRAND? PABLO NERUDA? PAVAROTTI? GORE VIDAL?

O Ca’d’Oro começou como restaurante. E aliás, um restaurante caríssimo, a gente viu os preços e, não, baby, sem condições, nem no pay day rola. Inclusive diz que é restaurante preferido de gente como Antonio Ermírio de Moraes, Claudio Lembo e Fernando Henrique Cardoso.

/Caras mode offDito isso tudo, que tal tomar um cafezinho no Ca’d’Oro, como quem não quer nada? Oras, PobreTambémVisitaHotelCaro. O Ca’d’Oro tem todo um climão decadence avec elegance, móveis elegantes antigos, atendentes uniformizados e megasolícitos. O piano bar, que foi onde a gente tomou o cafezinho, conta com quadros de nossa amiga Ella Fitzgerald, nosso amigo Louis Armstrong… as cadeiras são confortabilíssimas, e o climinha é “fique à vontade”. Ou seja: é para rico sem frescura, tipo o Antonio Ermírio. Tipo eu – HAHAHA OK, brincadeira.

 

Momento dê-umas-risadas: NÃO DEIXE DE IR AO BANHEIRO MASCULINO. Dois quadrinhos extremamente instigantes trazem ilustrações vintage de mulheres com roupas fofas e os seguintes dizerem no topo da imagem: TRAVESTI 115. Oi? Não entendi nada.

Não vou resistir à piada: será que o Ronaldinho freqüenta?

Em tempo: café, R$ 4,50. Chá, R$ 5 (vem no bule, bastantão). Petit four gostosinho acompanha. Gorjeta não incluída – é de bom tom deixar pelo menos R$ 1 pro coitado que te atender, seu pobre!

Serviço
Ca’d’Oro
R. Augusta, 129, Consolação, São Paulo – SP.
Tel. 11-3236 4300
www.cadoro.com.br

Jorge Wakabara

Eu nunca vi um Mercado Central tão divertido na minha vida! Sério, gente, bizarro. O MC de BH tem umas lojinhas incríveis – aproveitei para comprar pimenta biquinho, que é – vejam só! – mineira.

Mas isso não é o mais interessante. Eis que você está passeando e de repente… Tem uma doida gritando com você de pé em um balcão com uma cerveja na mão. “EI, MORENO! VEM CÁ, MORENO! CERVEJA, MORENO?!”. Eu disse uma doida? São várias doidas, duas ou três, no mesmo pedaço do Mercado!

Você não está entendendo. É um caos. Mesmo. Elas não param de gritar. Engraçadíssimo. Veja a foto abaixo:

ei_moreno

O que eu sei é que a fofa insiste tanto, mas tanto, e em um intervalo tão curto de tempo, que te convence. É lá que se come o tradicional fígado com jiló. Você fez careta? Pois é, eu também, mas tem quem ache o prato uma iguaria, então eu respeito.

A porção custa R$ 10 e é para ser comida de pé mesmo, no balcão, com a cervejinha (por R$ 2,80), dividindo com os amigos. Não precisa ficar muito, é coisa de parar, comer, beber uma cervejinha, bater um papinho e vazar. Gabriel disse que é normal conversar com a pessoa do seu lado no balcão – e é de bom tom oferecer o que você está consumindo. Fique tranqüilo, normalmente a pessoa não vai aceitar mesmo porque sabe que é apenas uma convenção, e se aceitar vai te pagar a próxima.

Fomos no São Judas Tadeu – na frente, tem o Bar dos Valadarenses. Tudo me pareceu bem igual, então pode escolher qualquer um com essas doidas gritando.

Serviço
Bares do Ei, Moreno! no Mercado Central
Av. Augusto de Lima, 744, Centro, Belo Horizonte – MG.
http://www.mercadocentral.com.br/

Obs.: Uma dúvida. Não vi nenhum loiro passar. Será que ela grita “EI, GALEGO!”?
Obs. 2: Tentamos ir num restaurante no próprio Mercado, que Gabriel disse que lembra dele ser ótimo. O lugar se chama Casa Cheia e estava, er… CHEIO. Alguém já foi? É legal? Quanto custa?

Jorge Wakabara

Como eu ainda não tinha falado do Acrópolis???

Esse restaurante é um dos poucos gregos na cidade de São Paulo – o único que eu conheço, pra falar a verdade – e a comida é uma coisa! Primeiro que você tem que chegar cedo, porque o negócio bomba. Então você fica lá fora, tomando uma brejinha na calçada enquanto espera sua mesa. Quando você entrar no salão, que provavelmente não é maior que seu quarto, você não vai se sentar, vai direto se servir. É assim, você pega seu prato, vai lá no balcão da cozinha e pede a comida pro cozinheiro.

São porções tipicamente gregas, de Lula recheada a sei-lá-o-quê que é gostoso. Com R$ 30 você come muito bem, dá risada e conhece um pouco mais das delícias das antigas.

Serviço
Restaurante Acrópolis
Rua da Graça, 364, Bom Retiro, São Paulo – SP.

Cinthia Reis

Pra quem ficar na cidade no feriado e não for extrair nenhum 3º molar, que tal comida chinesa diferente de yakissoba?

Esse lugar, o Rong He – restaurante de massa chinesa, pode ser o lado B chinês. Se fosse na China seria normalzinho, bem PobreChinêsTambémCome (porque se fosse RicoChinêsCome, seria sashimi de magurô – atum).

O tchans do lugar, como diz o subtítulo, é a massa chinesa. Feita na hora do pedido, os macarrões podem ser feitos na máquina ou na mão. Como? Vai lá ver, tem um chinês profissa na vitrine, é impressionante.

São vários tipos de sopas / macarrão. Macarrão oriental invariavelmente vem com sopa junto, muita coisa, tudo boiando. O carro-chefe da casa é o Macarrão Apimentado com Frutos do Mar (e carne de porco, que eles não vivem sem): custa R$ 20. Eu sugiro também a Sopa Agre-Apimentada, que tem bastante vinagre no caldo, R$ 18. Tem yakissoba tradicional, mas não é essa a proposta se você está lá. Os pastéis chineses (guiozá e afins) são ótimos também, a porção é considerável e custa R$ 16. Tem também várias conservas tradicionais, de acelga, de bucho suíno e outros vegetais, R$ 6 em média. Se prepara no olfato! (Nota do editor: CRUZES! AAAH! SOCORROOOO!)

Acho que todas as opções do cardápio tem versões vegetarianas, o que é ótimo, porque é um bom lugar pra ir acompanhado de qualquer pessoa “gastronomicamente interessada”, a não ser que você seja glutão. A sua companhia, portanto, pode ser uma pessoa que não come carne!! Todos os macarrões / sopas dão pra três pessoas normais fácil. Ou dois ogros… então a conta fica decente.

O lugar é simples, as mesas são simples, o atendimento é simples. A fila existe e a hostess não deve entender muito português, só na hora de fazer as contas, porque ela também é o caixa. NÃO ACEITA NENHUM CARTÃO. Só dinheiro e cheque.

Serviço
Rong He (Restaurante de Massa Chinesa)
No quarteirão seguinte da Choperia Liberdade, lado direito, não tem placa.
R.da Glória, 622A, Liberdade, São Paulo – SP.

Natalli Tami

Olha, pode parecer estranho, mas a dica é boa e barata. Existe uma rua na Vila Buarque (já deve ser Santa Cecília, mas eu só falo Vila Buarque!) chamada Canuto do Val. O quarteirão entre a Fortunato e a Dona Veridiana é dominado pela empresária Lilian Gonçalves (na minissérie global JK foi a Mariana Ximenez que fez o papel dela, tá meu bem?). Lá, tem uns trocentos bares e restaurantes que são dela. Uns estranhos… outros nem tanto. Até calçada da fama ela quer fazer…

Bem na esquina da Fortunato, fica o Frango com Tudo (era para ser Frango com Tudo Dentro, por causa da novela do Falabela, mas acho que a Globo não deixou). O ambiente é simples, mas ninguém pode dizer que não teve o layout bem cuidado. O teto é um poleiro, com madeira e tela de metal, o apoio para o balde de gelo lembra um galo, o jogo americano (tinha acabado da última vez em que fui, mas talvez volte) tem fotos da dona com celebridades como a Hebe, Pelé, Chacrinha etc., bem anos 80 – uns cabelos ótimos! – e não precisa gritar, esticar o braço ou se abanar para chamar a garçonete: tem um sensor na mesa que, ao ser acionado, joga o seu número num visor digital no meio do restaurante. Muito tecnológico! E, melhor, o serviço é excelente. As funcionárias estão sempre sorrindo, dá até inveja! A chefe também fica de olho em tudo – até já vi uma discussão dela com o marronzinho da CET que queria multar um cliente!

Os pratos, como o nome indica, são com frango. Todos são bem servidos. Dá para comer muito e gastar pouco. O “filé com tudo” (filé de frango alto, grelhado ao molho de queijo e batatas noisetes) é meu preferido e serve bem duas pessoas (gastei R$ 20, com suco de laranja). O “frango tem tudo”, especialidade da casa, serve até quatro pessoas, e está em promoção: R$ 24,90. É só pedir uma porção de arroz e pronto! O tempero é forte, mas não incomoda (e olha que sou muito fresca com isso). Além disso, não pesa no estômago.

Pode ir lá e jantar que você não vai passar mal à noite. Fecha por volta das 2h, então costumo ir em semana de fechamento para tomar um caldinho por R$ 5. O de feijão com espaguete é ótimo e tem uma sopa vegetariana também muito gostosa!

Como tem mesas na calçada, todo dia, o dia inteiro, tem gente lá tomando uma cervejinha (abre antes do meio-dia!). Bom, se alguém se empolgar, liga para mim? Moro do lado e vou adorar dar uma de anfitriã do bairro!

Serviço
Frango com Tudo
R. Canuto do Val, 115, Sta. Cecília, São Paulo – SP.
Tel. 11-3338 2525
www.biroska.com.br/frango (tem até site, gente!!!!!!)

Maíra Goldschmidt

Você gosta de pão com ovo?
E que tal um PÃO COM OVO DE CHOCOLATE?
Não estou brincando. R$ 6 no Família Burguer.
Eu não comi, portanto não sei se é bom. Mas devo confessar que adoro pão com chocolate.

(e o coro de leitores grita: GORRRDÍÍÍÍÍÍ!!!)

Obs.: Já fui no Família Burguer. É legalzinho.

Serviço
Família Burger
R. Monte Alegre, 681, Perdizes, São Paulo – SP.
Tel. 11-3672 8989

Jorge Wakabara

Ufa, primeira sugestão no bairro da Liberdade! Eu, um legítimo sansei, tava morrendo de vergonha de não ter dado nenhuma dica de japonês. Maíra Goldschmidt, essa coisa linda e pequenininha, sugere o Nandemoya – que eu ia com a minha tia há muuuito tempo, mas pelo visto ela garante que continua bom!

Aos domingos, o Nandemoya (Rua Américo de Campos, 09, na Liberdade) é ótimo. Com R$ 16 ou R$ 17 come-se bem. Como o bairro indica, é restaurante japa. É um bandejão de sushis, sashimis, yakissoba, bifun, hot-roll (amo!) e até batata frita smile (afinal, tem gosto para tudo). Como sempre está cheio, o peixe fica fresco – pode comer sem nojo. O público varia de famílias caretas tradicionais a um povo moderno (desses que vão depois assistir a alguma coisa no Espaço Unibanco ou tomar um café na Fnac -hahaha). Fica aberto a semana inteira (até 15h30, se não me engano), mas domingo é mais legal.

Tá, eu não confio muito nessa coisa de sashimi de bandejão, mas prometo que vou tentar e digo o que achei. E quem tiver ido pode se manifestar pelos comentários também!

Serviço
Nandemoya 
R. Américo de Campos, 9, Liberdade, São Paulo – SP.
Tel. 11-3208 8604

A Cintola é ÓTEMA, sempre conhece umas dicas legais de restaurante que a gente nunca ouviu falar e compartilha da nossa opinião de que comer fora é um programaço! Ela passou um dos seus segredinhos pra gente por aqui, via comentários:

Picanha de ouro!!!
Av. Ricardo Jafet (sei lá se é assim que escreve), esquina com a Rua Dom Bernardo Nogueira. Rodízio de carnes, tem saladas, arroz e outras coisas diferentes e até massa!!!
Dia da semana, por pessoa, R$ 11,90 e fim de semana R$ 13,90. E é muito bom, viu, eu sempre vou lá. Poxa, eu bem que podia escrever nesse blog, né?

A gente também acha, Cínthiaaaa!!! Ela ainda adianta que nas paredes tem uns quadros de motel (!!!) de pessoas peladas na cama (!!!!).

Serviço
Picanha de Ouro
Av. Abraão de Moraes, 199, Vila da Saúde, São Paulo – SP.