Posts Tagged ‘cerveja’

Gente, Jorge já fez um post sobre este restaurante há tempos atrás, mas informação nunca é demais, né… 

Ali no comecinho da Mourato, longe dos bares, perto da rua dos Pinheiros, tem um sobradinho que é o China Massas Caseiras. É um lugar bem simples e se você não olhar com atenção, vai passar reto achando que é qualquer coisa, menos um restaurante. Ah, e o lugar é super movimentado.

Como todo restaurante chinês (e italiano), os pratos são mais que bem servidos e a meia porção serve 2 pessoas fácil. O pastel é ótimo, é grandinho e não é exatamente um guiozá. Tem até uns recheios diferentes, mas eu e minha companhia de garfo votamos pelo tradicional (carne de porco). Uma porção com 6 pastéis roubou um pouco a cena do frango xadrez + arroz primavera que veio depois, mas não decepcionou ninguém.

A conta deu algo em torno dos R$25 pra cada, considerando 2 pessoas com fome, que pediram cerveja, porção de entrada e dois 1/2 pratos. E ainda dava pra levar o que sobrou pra casa, mas fomos preguiçosos.

Agora eu preciso voltar lá pra provar a tal da massa caseira, né?

Serviço
China Massas Caseiras
R. Mourato Coelho, 140, Pinheiros, São Paulo – SP
Tel. 11-3085 7111 (delivery)
Horário: De seg., ter., qui., sex. e sáb. das 11h30 às 14h40 e das 18h30 às 22h30 // Dom. das 11h30 às 15h30 e das 18h às 22h.

Natalli Tami

Anúncios

Sabe esses lugares meio escondidos e que justamente por serem um achado são tão charmosos? Pois esse é o caso do Bar do Museu, que se esconde num prédio do lado do Copan.

Esse bar é a sede da Associação dos Amigos do Museu de Arte Moderna (AAMAM), então imagine só as preciosidades que tem na parede, né? Volpi, Aldemir Martins e artistas novos, tudo original. O resto da decoração é pra lá de retrô, num clima meio “decadência que já teve sua glória”. A gerente, dona Clarice, é uma figura, com o braço coberto de pulseiras e um anel em cada dedo, tudo de prata e pedras. Sempre de smoking, o garçom, seu João, é um fofo – depende do bom humor dele a quantidade e os sabores dos pastéis que vêm na porção (R$ 8). Esses pasteizinhos, aliás, são uma das poucas opções de petiscos – vale a pena ir lá pra beber mesmo. A cerveja custa R$ 4.

Vira e mexe tem sarau, música ao vivo, projeção de filmes e coisas do tipo. Como o bar fica dentro de um prédio, a entrada só é permitida até as 21h em respeito aos outros moradores (só as 21h mesmo, gente, se chegar 21h05 já não entra); em compensação, não tem muita hora para fechar. E tem umas esquisitices, do tipo: se sexta-feira for feriado, na noite de quinta o bar já não abre… Então vale ligar antes de ir, pra não dar com a cara na porta.

Serviço
Bar do Museu
Avenida Ipiranga, 324, bloco C, sobreloja, Centro, São Paulo – SP.
Tel. 11- 3259 0157

Mari Tavares

Copo sujo é assim – como diz nossa amiga Simone, é bom não checar se o copo está realmente sujo, porque invariavelmente… ele estará. Em uma nova estadia em BH – dessa vez com o estimado Beto Mito – passamos por mil e uma aventuras, inclusive o Xoq Xoq, que é do ladinho da Cantina do Lucas mas tipo primo pobretão. Ou seja, dos nossos. Segundo o Alexandre, é um local frequentado por mundrungos made in UFMG. Tipo o Rei das Batidas de lá, sabe como é?

(Acabei de reparar que não tem um post do King of the Beats aqui! Absurdo!)

O Xoq Xoq possui uma vantagem enorme em cima de outros copos sujos que eu conheço. Ele fica em BH. Isso quer dizer que você gasta MENOS AINDA. Na continha: pedimos uma porção de lingüiça (foi isso, Raul?), uma outra de carne seca com mandioca, tomamos ONZE cervejas (a maioria destas em apenas três pessoas, porque a Simone e o Hudson não ficaram o tempo todo conosco). Total: R$ 60 e poucos reais. Ridículo, né? Descontando o pouquinho da Simone e do Hudson, dá menos de R$ 20 para cada! Por um sábado inteiro bebendo e comendo!

Diquinha: caso sua barba esteja grande, aproveita para passar num dos salões de lá do Maletta (que é o edifício onde ficam a Cantina do Lucas e o Xoq Xoq). O salão Penta fez o serviço direitinho e eu paguei R$ 9.

Serviço
Xoq Xoq
Av. Augusto de Lima, 233, lá dentro, Centro, Belo Horizonte – MG.

Jorge Wakabara

Acordou com uma vontade louca de comer empanadas chilenas ao som de I will always love you em ritmo de salsa? Não se desespere, PobreTambémCome tem a solução: corre lá no El Guatón (ou, para os íntimos, só “chileno”).  

Quem ia fazer esse texto era o Heitor, mas a pessoa tá demorando DEMAIS, então eu assumi a tarefa. O Chileno é famoso pelas empanadas, muito gostosas, com uma massa ótima e bastante recheio. As que são assadas custam R$ 4 e tem sabores como carne (a mais famosa), queijo, pizza, calabresa e mais uns três ou quatro. A de mariscos é um pouco mais cara, custa R$ 6. Também tem a versão frita, mas só em três opções: queijo e carne (R$ 4 cada) ou camarão com queijo (R$ 6). O único defeito é que não tem empanada de carne seca, quesito no qual o bar Empanadas ganha (aliás, pra mim, o único quesito… o Chileno num tem a muvuca nem a fila de espera do Empanadas, acho a comida mais gostosa e se duvidar até mais barata).

Se a fome for maior, no cardápio tem um monte de prato, todos tipicamente chilenos, de preços que vão dos R$ 20 aos R$ 60! Tem ceviche, congrio (um tipo de peixe), feijão e milho nas mais variadas formas, e até ostra pra comer com limãozinho! De sobremesa, pudim de leite ou uma torta de massa folhada com recheio de doce de leite (não sei o preço, se alguém souber…). Pra beber, cerveja (a Serra Malte custa R$ 6), tequila, caipirinha, suco, refrigerante e por aí vai…

E a trilha sonora?! Ah, a trilha sonora… Impagável. O som vai de Macarena a Feelings versão caribenha em segundos. O dono também é uma figurinha: um senhor baixinho, gordinho e de óculos fundo de garrafa, em geral de bom humor. Aliás, o nome do bar é uma homenagem à sua forma física: ‘el guatón’ é tipo um apelido para uma pessoa barriguda.     

Ah! E aceita VR!

Serviço
El Guatón
R. Artur de Azevedo, 906, Pinheiros, São Paulo – SP
Tel. 11-3085 9466     

Mari Tavares

O que fazer quando você ficou a noite inteira trabalhando em uma peça e está morrendo de fome? Vai para a Casa do Norte da Corifeu comer um… BAIÃO DE DOIS.

E o pior é que a gente não morreu de indigestão! Pelo contrário, foi ótimo! Essa Casa do Norte (existem várias em São Paulo, a da Corifeu recebeu o subtítulo fofo de Cantinho do Martinho) tem uma decoração típica – leia-se coisas penduradas no teto do tipo chapéu de cangaceiro e cartazes na paredes de duplas sertanejas de gosto duvidoso – e conta com banda ao vivo de vez em quando (é na palma da mão…).

Pedimos o baião de dois para duas pessoas, ele vem bem servido – o do Biu continua sendo o meu preferido, mas gostei bastante desse também. Para variar um pouco, o baião de dois para duas pessoas serve três. HAHAHA! Aí o garçom perguntou: “que carne acompanha, porco ou carneiro?”. Enquanto eu passava por uma indigestão crônica só de pensar nisso, o Eduardo respondeu “PORCO!”. E comeu. A Renata comeu também, que eu vi, e a Raquel também. Cada um cada um, já dizia Patrícia Marx, né, minha gente?

Bom, bebemos (cerveja), comemos pencas, deu R$ 12 para cada um. Um preço basicamente ridículo.

Obs.: a banda é bem eclética. Eles também tocaram Raul e Anna Julia. Na seqüência! Tá bom procê?

Serviço
Casa do Norte – Cantinho do Martinho
Av. Corifeu de Azevedo Marques, 1338, Butantã, São Paulo – SP
Tel. 11-3722 1585

Jorge Wakabara

Ou seja – a Carrie iria se ela NÃO FOSSE A CARRIE.

Bom, a verdade é que o N’o Café é cheio de charme. Sabe daqueles lugares para você encontrar com as AMIIIIGAAAASSS e ficar conversando sobre o último boyzinho que você arrumou, as previsões do horóscopo e o próximo desfile da Balenciaga? Sim – é um local ótimo para ser fútil, e no entanto também é o local ideal para disfarçar e fingir que não é fútil. Afinal, você está na Vila Madalena, portanto deve saber o mínimo sobre MARKS e NEE – CHEE.

(Marks & Nee-chee? É uma marca novaiorquina que eu ainda não conheço?!)

O N’o Café não é barato – é, minha gente, o preço da futilidade disfarçada é CARO. Quando fui, comi o prato do dia, que era um galeto com salada verde e polenta com cogumelos e brie – TÁ? Saía uns R$ 25, acho… ou R$ 29? Bom, com uma bebidinha fica uns R$ 30 e poucos. A Bia e o Mano comeram x-burguer, mais barato, e ele era enorme e lindíssimo – eles aprovaram.

Também acabei tomando um capuccino com gengibre que DESCEU MACIO – R$ 5, dá para ir e tomar só ele depois de almoçar na casa dos pais em dias de contenção de despesas. Agora, caso você esteja num dia de LUXO PODER RIQUEZA & COBIÇA, experimente uma das cervejas finas e importadas que a casa oferece. Sarah Jessica diria: “It could be anywhere. But it’s here, in Saoum Paoulo”.

Serviço
N’o Café
R. Harmonia, 596, Vila Madalena, São Paulo – SP
Tel. 11-3032 4669

Jorge Wakabara

Eu sempre morri de preconceito com o Aniello porque achava que era um lugar de rico. Sei lá, talvez porque ele tem uma cara arrumadinha e fofa. Ele fica praticamente no mesmo quarteirão da minha ex-casa (onde morei durante 27 anos), do lado do Smoky Jô, e mesmo assim só tinha ido lá uma vez, há muito tempo, com a Yuri.

Aí teve aniversário do Rodrigo lá e eu fui. A princípio o esquema era só pra tomar umas cervejas, mas eu tava com fome e decidi pedir algo para comer. Surpresa: uma pizza de mussa bem gostosa brotinho (mas um brotinho decente que alimenta) por R$ 11 e poucos! Achei bacana. Com a cervejinha, dá menos de R$ 20 com certeza. Fora que o esquema de comanda individual em festa de aniversário é genial, né? A gente ama.

Já passei na frente do Aniello na hora do almoço e parece bem gostoso e animado comer lá. Alguém já foi para dizer a faixa de preço?

Serviço
Aniello
R. Mourato Coelho, 47, Pinheiros, São Paulo – SP.
Tel. 11-3061 3213
www.aniellobar.com.br

Jorge Wakabara

Esse é engraçado!

Bom, é muito difícil a vida da bilu em BH, porque o povo aqui é muito careta. Mesmo em boteco gay, é raro você ver um casal se beijando – se você vir, cuidado, pode ser eu. RISOS.

Então. Aí acontece que ou você vai com o boyzinho para a boate… ou não. Só que se você for cervejeiro e gosta de ficar sentado, acaba em maus lençóis. Ó, E AGORA, QUEM IRÁ ME DEFENDER?
A Villa Paraty, minha gente!

A Villa Paraty é um bar mezzo boate que, pelo que entendi, é mais para meninas só que os meninos também acabam indo. É uma casinha antiga com direito a, CLARO, uma sapatão cantando munida de violão, e lá para trás tem uma parte aberta, tipo quintalzão, com vários “níveis” cheios de mesa – me lembrou a Casa do Espeto aqui de São Paulo em versão menor. Mas para completar a decoração, além das árvores reais, rola um painel com COQUEIROS e o banheiro fica numa casinha TIPO TÍPICA DE PARATI! Juro! Tudo remete à praia! É esquisitíssimo estar num lugar PRAIANO em Minas Gerais, te garanto.

O mais legal da Villa Paraty é que, além das cervejas de garrafa, tem porções! Ó!!! Comi uma de contra-filé cortado aperitivo com fritas. Tinha bastante pedaço com gordura mas mesmo assim valeu a pena, a porção é bem farta e deu para dois numa boa. Tem outras porções que eu não experimentei, mas pela cara delas, olha, vale a pena.

Como tem showzinho, tem couvert também. Durante a semana é mais barato, como fui no feriado saiu R$ 6. Mas olha… a fofa não canta só Madonna e Ana Carolina, não. Rolou até… KATE BUSH! SÉRIO!
E JUSTO WUTHERING HEIGHTS!

Serviço
Villa Paraty
R. Rio de Janeiro, 1309, Centro, Belo Horizonte – MG.
Tel 31-3224 1220
www.villaparaty.com.br

Jorge Wakabara

Um dos lugares mais bacanas para tomar uma cervejinha aqui em BH é o Pelicano Chopp. Lá vende chope (ah, jura?) e cerveja de garrafa (Skol sai R$ 3,70). Mas o mais bacana é o clima meio decadence-c’est-cool. Ele é de madeira, com um balcão à moda antiga. Nas paredes rolam umas fotos de famosos, tipo a Alcione com carinha meiga, o Chico Buarque, o José Lewgoy, a Adriana Calcanhotto fantasiada de Frida Kahlo… oi?

Eu e o Lê dividimos uma porção de bolinho de arroz bem honesta, depois chegaram dois amigos dele, o Hudson (xi, não sei se é assim que escreve) e a Ju, eles comeram um sanduíche com batata frita cada, e bebemos cerveja até empapuçar. Deu R$ 20 each. A trilha sonora é bem gostosinha e, para dar uma idéia da freqüência, tinha um Los Hermanos cover na mesa ao lado.

Obs.: o local era freqüentado pelo… Clube da Esquina. Juro, não tô zoando. Depois eu falo de outro lugar, pertinho, que também era freqüentado por eles!

Serviço
Pelicano Chopp
Av. Augusto de Lima, 245, Centro, Belo Horizonte – MG.
Tel. 31-3224 4292

Jorge Wakabara

Quando li que o Djoh tava usando um moletom manchado da Universidade de Amsterdã, lembrei que eu já citei o Amsterdã Café & Bistrô aqui e não fiz um post só dele.

Ele fica ali, no meio do Jardins, mas longe da muvuquinha. É perfeito pra almoço de família, pra ir com amigos e, principalmente, pra ir com peguete de importância. E, o mais legal, é possível fazer uma festinha, alugando o espaço superior. Mais ou menos como o L’aperô, só que menos balada – uma coisa mais gourmet. Nas paredes, fotos, pôsteres e cartões postais holandeses, um charme (mas nada a ver com as coffee shops da cidade de Amsterdam, tá?). Dá pra sentar lá e tomar uma cerveja jogando conversa fora.

A comida é ótima! De couvert de entrada tem um pãozinho que eles fazem na hora que é um arraso. As opções são bem variadas e bem elaboradas. Mas as combinações massa + grelhado, risoto + grelhado ou salada + grelhado são as mais interessantes. Tudo na faixa dos R$ 30. Tem opções de sobremesa, claro, mas eu não provei ainda. Vai lá e me conta?

Serviço
Amsterdã Bistrô & Café
Rua Mello Alves, 506, Jardins, São Paulo – SP.
Tel. 11-3061 1676

Natalli Tami