Posts Tagged ‘caipirinha’

Perdido no meio da r. Mourato Coelho, o Aniello é um restaurante simpático, com cara de mercearia e ótimo para quem gosta de almoçar tarde: de terça a sábado, funciona do meio-dia à 1h da matina direto; na segunda, do meio-dia às 16h e no domingão não abre (horários estranhos, né?!).

No cardápio tem um pouco de tudo, desde sanduíches e saladas até massas e pizzas. A comida não é assim maravilhosa, mas é honesta e as porções servem super bem – dependendo da fome, dá pra dividir tranquilamente. Tanto o paillard com fettuccine como o capellini com camarão custam R$ 21,90 cada. A salada caprese, com mussarela de búfala, tomate, manjericão e alface, é R$ 15. Tudo bem simples, mas gostoso. 

Também dá pra ir só pra beber coisinhas e comer petiscos. A caipirinha custa R$ 8,90; pra quem não bebe, o suco natural custa R$ 3,70. Tem várias opções de antepasto, queijos e outros tipos de frios. Lugar simples e tranqüilo, bom pra ir e ficar papeando.

Serviço
Aniello Bar e Mercearia
R. Mourato Coelho, 47, Pinheiros, São Paulo – SP
Tel. 11-3061 3213
www.aniellobar.com.br

Mari Tavares

Acordou com uma vontade louca de comer empanadas chilenas ao som de I will always love you em ritmo de salsa? Não se desespere, PobreTambémCome tem a solução: corre lá no El Guatón (ou, para os íntimos, só “chileno”).  

Quem ia fazer esse texto era o Heitor, mas a pessoa tá demorando DEMAIS, então eu assumi a tarefa. O Chileno é famoso pelas empanadas, muito gostosas, com uma massa ótima e bastante recheio. As que são assadas custam R$ 4 e tem sabores como carne (a mais famosa), queijo, pizza, calabresa e mais uns três ou quatro. A de mariscos é um pouco mais cara, custa R$ 6. Também tem a versão frita, mas só em três opções: queijo e carne (R$ 4 cada) ou camarão com queijo (R$ 6). O único defeito é que não tem empanada de carne seca, quesito no qual o bar Empanadas ganha (aliás, pra mim, o único quesito… o Chileno num tem a muvuca nem a fila de espera do Empanadas, acho a comida mais gostosa e se duvidar até mais barata).

Se a fome for maior, no cardápio tem um monte de prato, todos tipicamente chilenos, de preços que vão dos R$ 20 aos R$ 60! Tem ceviche, congrio (um tipo de peixe), feijão e milho nas mais variadas formas, e até ostra pra comer com limãozinho! De sobremesa, pudim de leite ou uma torta de massa folhada com recheio de doce de leite (não sei o preço, se alguém souber…). Pra beber, cerveja (a Serra Malte custa R$ 6), tequila, caipirinha, suco, refrigerante e por aí vai…

E a trilha sonora?! Ah, a trilha sonora… Impagável. O som vai de Macarena a Feelings versão caribenha em segundos. O dono também é uma figurinha: um senhor baixinho, gordinho e de óculos fundo de garrafa, em geral de bom humor. Aliás, o nome do bar é uma homenagem à sua forma física: ‘el guatón’ é tipo um apelido para uma pessoa barriguda.     

Ah! E aceita VR!

Serviço
El Guatón
R. Artur de Azevedo, 906, Pinheiros, São Paulo – SP
Tel. 11-3085 9466     

Mari Tavares

(Crente que eu tô sabendo MUITO japonês!)

Lembra que eu disse que ia falar do Predinho aos poucos? Pois bem, fui visitar o abençoado local de novo, dessa vez com a minha mais freqüente companhia nesse bairro tão LIBERTO: Srta. Monayna.

A Mo queria ir no Mugui de novo, mas eu tanto fiz e insisti que a gente acabou se encaminhando para a Sukiyaki House.

Parênteses didático: você sabe o que é um sukiyaki? Um dos pratos japoneses mais gostosos e fáceis de fazer, consiste num… mexidão? Num… ensopadão? Não sei explicar. Você pega carne, verdura, uns lances japoneses, uns brotos de feijão, joga tudo numa panela com um molhinho a base de shoyu e mistura mistura mistura esquenta esquenta esquenta ferve ferve ferve e fica uma delícia.

Sukiyaki é um prato ótimo para comer nesse tempo friozinho – tipo fondue, sabe? Ele é acompanhado de arroz. O mais divertido de tudo na “feitura” do prato é que, tradicionalmente, você mesmo prepara. Isso mesmo: tem uma panela com fogareiro embaixo no meio da mesa e você que vai colocando as coisas lá dentro (geralmente eu coloco cebola e umas folhas que soltam muita água primeiro, e a carne em seguida, e aí o resto – não sei se está certo). Mas a sensação é tipo “tô brincando de casinha”. Se você for chato e não quiser fazer, pode pedir para fazerem – vai perder metade da graça, azar o seu.

Lá na Sukiyaki House ainda tem os famosos CROQUETES (R$ 2) – eu e a Mo amamos, é tradicional comer um antes da comida. E caipirinha de pinga, óbvio (R$ 6). O sukiyaki mais simples sai por R$ 27, dá para duas pessoas tranquilamente.

Total por pessoa: R$ 21,50. Tchanaaam! Precinho ótimo, né???

Serviço
Sukiyaki House
R. da Glória, 111, sala 13, 1º andar, Liberdade, São Paulo – SP.
Tel. 11-3106 4067

Jorge Wakabara

E a gente é pobre mas sempre tem canal das coisas e dos melhores lugares para ir e comer bem. Semana passada estive em Ilhabela, aquele lugar maravilhoso que eu adoro, e pude comer em dois lugares BPP, gosthosos e que eu tenho certeza de que se você for para lá no feriado de 1° de maio vai adorar!

Para o almoço, minha sugestão é o Max Paladar, que é um self-service de comida ótima, bom atendimento e um preço justo. Claro, você pode gastar de R$ 1 a R$ 1.000, depende do tamanho do seu pratinho, mas com R$ 15 tenho certeza de que você vai fazer uma boa refeição – esse é o preço se você não sair derrubando o refrigerante das mesas vizinhas a sua, como aconteceu comigo… Ups… O restaurante é de frente para o mar, superventilado, agradável mesmo!

Para o jantar, você pode ir ao Cheiro Verde, que é um restaurante que tem na Vila de Ilhabela. O PF de comidinha caseira é enorrrrrrrrme. Vem uma saladinha modesta e o PFzão por R$ 13,90. Cada dia são cinco pratos diferentes, é só olhar o cardápio, mas tem para todos os gostos. O preço da caipirinha gira em torno de R$ 6 e é boa, viu?! O atendimento é rápido, pode até ter uma filinha, mas é uma espera de, no máximo, dez minutos. Vai lá, meu, vale a pena!

Essa história de que Ilhabela é para rico não cola muito. Pega um busão, se hospeda num lugar baratim e enjoy, baby!

Serviço
Max Paladar
Av. São João, 243, Perequê, Ilhabela – SP.
Tel. 12-3896 3700
www.maxpaladar.com.br 

Cheiro Verde
Rua da Padroeira, 109, Centro Histórico, Ilhabela – SP.
Tel. 12-3896 3245

Cinthia Reis

A Fafá Gallo tá tipo freqüentando o site e deixou uma dica ótima, já testada pela equipe do Pobre (quer dizer, na verdade foi testada pela minha pessoa, mesmo). Segue aí:

Eu não sei se vocês já comentaram aqui no site, sou visitante nova, mas tenho uma dica ótima de BPP (Bom Pra Pobre): o Sinhá, na Rua dos Pinheiros! É algo como R$ 12 (R$ 14 aos fins de semana), sem as bebidas, mas você come À VONTADE!!!! A comida é tipo caseirinha, muito boa, a decoração é linda, as garçonetes tipo bonitas e moderninhas… rs, parece até lugar caro… rs! Tem um chips de abobrinha delicioso!!!!!!

Eu ainda acrescentaria a todas essas dicas a caipirinha (quem fazia era a Ana Lígia, mas não sei se ela ainda trabalha lá!). A comida é mineira – acho – mas de qualquer forma é de fazenda, feita no forno à lenha! Ou seja, delícia. O legal é ir de fim de semana mesmo, ficar tipo umas três horas e meia se empanturrando.

Serviço
Sinhá
R. Antônio Bicudo, 25, esquina com a Pinheiros, Pinheiros, São Paulo – SP.
Tel. 11-3081 4627

Como eu havia prometido, vou dar uma dica que é muito boa para quem está na rua da amargura de tão pobre, mas que nunca perde a pose na hora de comer fora. É um restaurante mineiro que é muitho gosthoso, lá na Vila Mariana. Estou falando do Gamela, que tem muita comida e bebida BPP – Bom Pra Pobre.

Com R$ 15 – eu disse quinze reais – você come a feijoada e toma uma caipirinha, que é muito boa. Vai lá com alguém pra dividir a porção e a alegria de comer bem pagando pouco. A feijoada, que serve dois, custa R$ 15,90, a caipirinha é R$ 6 e os outros pratos estão nessa faixa de preço. Gostou? Tem mais, o atendimento é muito bom e rápido, mas a casa vive lotada, então tem que chegar cedo ou ter paciência de esperar cinco minutinhos.

Depois dessa comilança, que tal pegar um cineminha e assistir Estômago, um filme nacional que é muito bem feito e fala de comida?! Tudo a ver, vocês vão gostar.

Serviço
Gamela Mineira
R. Joaquim Távora, 1115, Vila Mariana, São Paulo – SP.
Tel. 11-5082 3617 

Cinthia Reis

Eu vivo falando desse tal predinho da Liberdade e nunca entrego o ouro, né? Eu sei, eu sou péssimo. Vou tentar falar dos restaurantes que a gente vai lá aos poucos – o primeiro é o nosso preferido, o Mugui.

Você pensa que se você for para o Japão vai comer sushi o dia inteiro? Pare de se iludir: sushi é comida de rico por lá. Só para ocasiões especiais. O Mugui é especializado em outra coisa que faz mais parte do dia-a-dia dos “toquianos” (ou toquienses, ou toquiocas?). Lá tem todo tipo de macarrão japonês: udon, soba, yakissoba… Tudo uma delícia, em média por R$ 15 (os mais caprichados, tipo os que tem tempurá, saem por um pouco mais). Como eles são grandes, tem alguns que eles fazem uma versão “pequena”, por R$ 10. Delicioso: o legítimo kare rice! Huuummm, com cara de casa de batchan (vó em japonês) – R$ 13.

E a gente confessa: eu e a Mo adoramos a caipirinha de pinga do Mugui, que custa, sei lá… R$ 4! É ridículo, o preço! Fui ontem com a minha mãe e sentamos no balcão – tava lotadão na hora do almoço. Foi divertido, me senti no Japão. As pessoas devem comer muito no balcão lá em Tóquio, né, já que é tudo apertadinho…

Serviço
Mugui
R. da Gloria, 111, 1o andar, Liberdade, São Paulo – SP.

Jorge Wakabara

De Fortaleza – que, como a Briza disse… “Não tem fortaleza em Fortaleza?”. Risos.

Pois é, Briza, não tem fortaleza mas tem um peixe maravilhoso. O Sirigaddo Country, descoberta de Ricardo Gomes, fica em Aldeota – mas, caso Ricardo te convide para ir a pé, não acredite que é perto do hotel. O preço não é tão bom para os locais, mas para quem é de São Paulo o negócio enche os olhos – e a boca de água, e o estômago de comida boa. Estávamos em seis ogrinhos comilões (Osvaldo, Ricardo, o outro Ricardo, Roberto, Luis e eu) e pedimos um peixe com leite de coco e coentro di-vi-no, um peixe grelhado que vem com uns molhinhos gostosos (alcaparra, ervas etc.) e uma porção extra de arroz. Deu super: pagamos R$ 26 com bebida (cerveja, caipirinha, refrigerante).

Eu devo confessar que peixe não é muito a minha praia, mas comer peixe em cidade litorânea é bem diferente. Tô me esbaldando. Se você for em menos pessoas (quatro, por exemplo), o mais imperdível é mesmo o peixe com leite de coco, que virou hype entre os jornalistas de imprensa nacional que estão cobrindo o Dragão Fashion!

Serviço
Sirigaddo Country (que nominho, né?)
Av. Barão de Studart, 825, Aldeota, Fortaleza – CE.
Tel. 85-3261 7272

Jorge Wakabara

Em todo lugar da cidade tem feijoada aos sábados. Rumando à Vila Mariana, a minha sugestão é o Veloso Bar. Pára, que delícia!!!

Você não dá nada pro boteco, mas é muito legal, tem uma galera muito bacana e a comida, não precisa nem dizer, né? O bolinho de camarão não existe de gostoso e a feijoda é incrível e rápida, serve até três pessoas a grande, mas tudo depende da fome. Tomando caipirinha (que dizem que é a melhor de São Paulo), comendo o bolinho e a feju, você consegue pagar unsR$ 35 no máximo.  Vai com a galera ou com a paquera, é muito legal mesmo. O bar é todo decorado de futebol, com fotos, camisas e autógrafos.

Vamos, Jorginho, Mari?? Vamos combinar?

Serviço
Veloso Bar 
R. Conceição Veloso, 56 , Vila Mariana, São Paulo – SP. Sentido Paraíso, sabe?
Tel. 11-5572 0254
www.velosobar.com.br

Cinthia Reis

A gente costumava freqüentar mais, né? O Bar Leblon, que fica perto do Exquisito, é tipo filhote do Filial, sabia? Pois é: diz que é um ex-gerente do bar da Vila Madalena que toca o lugar simpático.
Desde o chão, que imita a calçada do bairro carioca, até um mapa na parede que reproduz Leblon, Ipanema e Copacabana, o clima tenta remeter à Zona Sul do Rio. Eu curto, na verdade, porque é um pouco mais barato que o Exquisito e costumava ser bem menos cheio… hoje em dia, o negócio é ir de dia de semana, e de preferência cedo. O Leblon tá lotando – sorte dos donos, azar o nosso, que agora tem que enfrentar fila de espera.
O legal do Leblon é que dá super para comer. Quando estou com “meia fome”, eu costumo comer o saladão que vai alface, palmito + outras coisinhas (não peça a de rúcula com mussarela de búfala, é beeem menor). Pros momentos “ogrinho”, peça o prato com arroz, feijão e carne seca com queijo coalho e mandioca (acho que é mandioca… ou é pamonha?). É uma delícia é custa um pouco menos de R$20.
Gosto das caipirinhas de saquê, também, que é gostosa e num preço superhonesto (acho que R$ 11, por aí). Só não me venha com a caipirinha de saquê com fruta vermelha – maiores drinque de mulherzinha, ninguém consegue tomar inteiro de tão docinho. Blergh.
Outros pontos positivos: o garçom e o público – desencanado e misturado, já vi de J. Pig a Marina Person e Badauí por lá. Q? A localização também é ótima – pertíssimo da Augusta porém mais sossegado, e se der uma animada dá para ir dançar PIXIES na FUN HOUSE e relembrar the old times.

Ah, sim, porque a Fun House continua na década de 2000.

Serviço
Bar Leblon
R. Bela Cintra, 483, Consolação, São Paulo – SP.
Tel. 11-3237 0151
www.barleblon.com.br

Jorge Wakabara