Posts Tagged ‘café’

16h da tarde, segunda-feira, Vila Madalena. Estava eu perdida pelo bairro, sem saber onde almoçar, morrendo de fome. Onde ir em um horário desses, meu deus? Eis que surge a resposta: Ekoa Café.

O Ekoa é um restaurante/café relativamente novo – tem quase 1 ano, segundo a dona -, localizado exatamente na frente da Livraria da Vila. Com toda uma proposta sustentável, o objetivo do lugar é te deixar confortável e incentivar que as pessoas se relacionem. Olha, eles conseguem, viu! Três exemplos da fofura:

1) o lugar tem uma varandinha com uma rede para você deitar e ficar quanto tempo quiser. Sim, uma REDE, daquelas de praia! E tem wi-fi de graça, então dá mesmo pra ficar horas e horas. 
2) lá tem uma coisa que eu apaixonei chamada “Café compartilhado”. Você pode deixar um café pago para alguém que não conhece ou pode tomar o café que alguém deixou pago. Não é fofo demais?!
3) Para estimular que as pessoas almocem juntas, eles dão desconto de R$ 0,50 no prato do dia para quem for acompanhado – se você for com outras 5 pessoas, por exemplo, você paga R$ 11 ao invés de R$ 13 no prato. O desconto é módico, mas a idéia é bonitinha, né?

Além de toda essa preocupação com os detalhes, a comida é bem boa e o preço é melhor ainda. Comi uma truta grelhada ao molho de manga com arroz integral bem honesta (Temos foto! Eba! – mas é tosca, de celular, tá gente…) e paguei R$ 16,80. O prato mais caro custa R$ 24, acho. O suco de pitanga custou R$ 4 – lá tem várias polpas orgânicas de frutas exóticas. Entre as sobremesas, tem coisas apetitosas como petit gateau com calda de pitanga e sorvete de creme (R$ 13) e brigadeiro com calda de cupuaçu (R$ 4, acho). Além de várias opções de saladas diferentes, sanduíches, cafés especiais, entradinhas, sopas… Ou seja, não falta opção!

Imag003

Lugar pra lá de fofo, pra ir sozinho, acompanhado, com amigos, sem amigos, com fome, sem fome… Vale compartilhar! E tem também em Campinas!

Serviço
Ekoa Café
R. Fradique Coutinho, 914, Vila Madalena, São Paulo – SP – na frente da Livraria da Vila
Tel. 11-3032 7842

Carrefour Campinas Shopping
Av. Mackenzie, s/n, Vila Brandina, Campinas – SP
Tel. 19-3255 6850

Shopping Iguatemi Campinas
Av. Iguatemi, 777, 1 piso, Campinas – SP
Tel. 19-3254 6733 

www.ekoacafe.com.br

Mari Tavares

Anúncios

É triste e ao mesmo tempo gostoso quando o emprego da gente muda de lugar.  Triste porque você é obrigado a deixar pra trás várias manias que já tinha adquirido – tipo a salada de fruta do Abadia. Gostoso porque você é obrigado a descobrir lugares novos. Nesse momento ‘descobertas’ da minha vida, o primeiro que vale dividir é o Andaluza.

O cardápio do Andaluza traz opções de lanches mais leves, justamente pra você conseguir ter fôlego pras sobremesas. As saladas são bem servidas e servem de almoço. Em geral, custam R$ 9,50 e vão desde carpaccio até folhas verdes com mussarela de búfala, tomate seco e afins. A opção com quiche custa R$ 11,50. Já os sanduíches custam em torno de R$ 8 e são simples, mas bem gostosos. Tem um de peito de peru com alface e cream cheese que é uma delícia, e você pode escolher entre pão francês e integral.  

Mas isso tudo é detalhe: o que importa são as sobremesas. Especializada em bolos, o pedaço custa em torno de R$ 4,50 e é um tamanho bom – você mata a vontade sem ficar empanturrado. O bolo de bem-casado é uma delícia e o de dois mousses – chocolate branco e amargo – é sensacional. O único problema (pelo menos para mim) é que eles tendem a colocar chantilly, marshmallow e afins em tudo… mas paciência. Tem também sorvetes, com opções que vão de papaia e graviola (R$ 5 a bola) a Häagen-Dazs (módicos R$ 7 A BOLA! tá todo mundo louco). 

Pra fechar, tem vários tipos de cafés, desde o bom e velho espresso até drinks mirabolantes. O mais simples custa R$ 2,50. Ótimo lugar pra se esconder quando o emprego tá afetando os nervo.

Serviço
Andaluza Sobremesas Finas

R. Caconde, 132, Jardim Paulista, São Paulo – SP
Tel. 11-3057 1564

R. Dr. Alvaro Alvim, 153, Vila Mariana, São Paulo – SP
Tel. 11- 5539 7962
www.andaluza.com.br

Mari Tavares

Se você gosta do café do Santo Grão mas não gosta daquele ambiente nariz empinado, existe uma boa alternativa: o café da Livraria da Vila (unidade Vila Madalena, pelo menos, que eu saiba) é do Santo Grão!

Recomendo a torta de limão e o bolo de cenoura, na faixa de preço de uns R$ 6,50 cada! A torta é megaleve e o bolo tem um glacezinho gostoso por cima ao invés daquela tradicional cobertura de chocolate. O café é uns R$ 2 e algo, que eu me lembre. Antes, o café da Livraria da Vila tava numa fase meio bizarra – você pagava o quanto a sua consciência mandasse. Sério, você fazia o preço. A idéia era legal, mas pelo visto faliu, né, minha gente? Risos.

E o prazer estético é bom: tinha um garçom da vez que eu fui que era alto, simpático e bonito – ele agachava para falar com a gente e dar suas recomendações. Abaixa aqui, garçom!

Serviço
Santo Grão na Livraria da Vila
R. Fradique Coutinho, 915, Vila Madalena, São Paulo – SP.

Jorge Wakabara

Contribuição sempre bem humorada de Raul Andreucci, o terror da mulherada, Beto Mito nas horas vagas, doutor em futebol e PhD em saca-rolhas.

Tá, o dia dos namorados já passou. Mas sempre é tempo de ser romântico e comer bem. E uma boa pedida (ai, jornalista de serviço adora esse termo, né? um luxo!) pra nós, pobres (mortais), é o Blú Café.

É um “café & bistrô”, que fica ali na Rua Monte Alegre, em Perdizes, perto da PUC. É um lugar pequenininho, que mais parece uma casa bem aconchegante do que um restaurante sofisticado (e as comidas são, sim, sofisticadíssimas, viu!). Ajudam a compor esse ambiente os móveis antigos, a decoração meio européia e o jazz ao fundo (todas as quartas, sextas e sábados à noite). É aquela coisa: você senta e já se sente à vontade.

Melhor ainda que, quando você começa a se preocupar com o preço ou que vão achar que você não tem grana o suficiente para estar ali, os garçons aparecem com uma simpatia bem sincera e te mostram um menu com preços bem consideráveis. Eu não guardei bem o quanto era cada coisa porque sexta, quando fui ao Blú, tomei duas garrafas de vinho e, bem, vocês sabem… Mas garanto que há o que comer por volta dos 20 pilas, como o delicioso quiche, ou só para acompanhar um café, como as tortas doces (que hoje Deus não me permite mais comer).

Claro, se você gosta de falar que é pobre porque é hype ou está em alguma sistema de cotas mas tem grana…. amigo… se joga! Tem pratos ótimos por volta de 30, 40 mangos. Mas é sofisticado, hein. Não vai esperando um bife a cavalo. Eu sei, vão ter uns nomes estranhos que nem o chef sabe falar, mas vai na fé. Porque o trunfo do rango do Blú (é até uma blasfêmia chamar os pratos deles de rango, mas, como eu sou rebelde sem calça…) são as combinações. Não ache que tem coisa ali só pra decorar (se bem que, é, até tem…). É tudo pensado (ou me fizeram parecer que é), tudo junto ali na sua boca entra em uma harmonia que muda o sabor de uma maneira quase orgasmática, se assim vocês, puritanos, me permitem dizer.

Mas chega de lenga-lenga e vamos ao que interessa. Se o que vale nessa vida é a didática e a etiqueta, aprendam:

SOU POBRE, ME AJUDA, TIO! Nada de carta de vinhos para você. Vai extrapolar logo de cara o orçamento. Fique no chope. Sabemos que você gosta, e este vem numa caneca generosa e trincando. Entradas? Nem pensar. Finja que passou só para um lanche e peça o “Quiche com salada verde ao vinagrete de ervas”, como quem não quer nada. Vai te sustentar, garanto. E ainda dá pra pedir sobremesa, uma das tortas ou a salada de sorvetes.

SOU CLASSE MÉDIA METIDO A BESTA, MAS MÃO-DE-VACA E NÃO PRECISO DA SUA AJUDA! Precisa sim, bem. Aceite a carta de vinhos do garçom, não precisa ter medo. Você vai se assustar com alguns preços, mas tem alguns por volta de cinqüenta reais que já ajudam a dar aquela malemolência gostosa. Não precisa pedir entrada, porque isso é coisa pra grã-fino mesmo, mas não faça aquela cara de irritado quando colocarem o couvert na mesa. Enjoy! Faça tudo com calma, você foi lá para curtir, não pra pensar nos preços. Dinheiro é pra ser gasto. Peça uma massa ou uma carne e take it easy, os pratos podem parecer insuficientes pra você que come um prato de arroz-feijão enorme, mas sustentam. E guarde espaço para a sobremesa, elas valem a pena. E sobremesa, pô, até pobre come!

Serviço
Blú Café
Rua Monte Alegre, 591, Perdizes, São Paulo – SP
Tel. 11-3871 9296
www.blucafe.com.br

Raul Andreucci

(Obs.: a gente adora o Raul porque ele fala “se joga” com naturalidade, mesmo sendo um jornalista hétero especializado em esportes!!!)

IMPOSSÍVEL entrar na bomboniere Bombom da Maga, em Paraty (Parati? sei lá, ninguém sabe), e não lembrar do filme Chocolate. Dou um doce pra quem for lá e não fizer essa associação.

A loja fica no centro histórico de Paraty, então ocupa uma daquelas construções coloniais de portas compridas com bordas coloridas e azulejos pintados. Uma coisa muito fofa. A decoração da bomboniere também é simpática: os docinhos ficam em vitrines ou em cestinhas de vime, e todos os móveis são de madeira. Só tem uma coisa que eu dispensaria: logo na entrada tem um quadro cheio de fotos da dona com atores globais, o que eu acho muito desnecessário. Mas aí me explicaram que carioca adora posar com famoso, então…

A dona da loja (que eu não sei o nome) é a própria personagem da Juliette Binoche. Como no filme, ela faz dos bombons uma coisa meio de alquimia – por isso o nome “Bombom da Maga” e o logo de uma bruxinha voando de vassoura. Ela faz tudo a mão: desde a palha italiana e as trufas até o chocolate quente (R$ 3,50), que é daqueles bem cremosos e que vem tão quente que no minuto que você pára de mexer forma nata.

Mas ai, minha gente, aí tem o BOMBOM DE BRIGADEIRO. Meu jesus amado, o que é aquilo! É de chorar de bom. Custa R$ 2,50 e é uma das melhores coisas que existem no universo. Imagine: é um brigadeiro muitíssimo bem feito coberto por um tipo de glacê branco bem fininho e bem crocante. Tem outras opções de recheio, como coco e cereja, mas eu indico mesmo o de brigadeiro sem medo de errar. Dizem que o camafeu de lá também é famoso, mas eu não cheguei a experimentar. Só sei que custa também R$ 2,50.

Enfim, pra aquele lugar ser o paraíso só falta mesmo Johnny Depp de vendedor. Mas olha, sinceramente (e nunca pensei que diria isso), com aquele bombom de brigadeiro a ausência de Sr. Paradis até que passa despercebida.

Serviço
Bombom da Maga Bomboniere
Rua Matriz, 10, Centro Histórico, Paraty – RJ.
Tel. 24-3371 1580

Mari Tavares

Achei um lugar que podemos dividir em duas partes: um lado Subway e um lado Starbucks. Ou seja, o local é bem american new way of life.

O lado Subway deles é quando você entra na fila pra montar o seu próprio lanche, escolhendo os ingredientes na “vitrine”. Mas o plus do lugar são as opções! Molhos diferentes, incluindo um tal de wasabi dijonaise que é ótimo. Várias carnes com vários temperos, de rosbife a frango tandoori. Queijos diversos, de prato a brie. Legumes cozidos e grelhados. E verduras fresquinhas. Tem as opções prontas de sanduíches, mas escolher o que você quer é mais legal. Ah, sim… o pão é feito lá mesmo, num fornão a lenha, o que deixa o lugar com cheiro de padaria.

Um sanduíche básico (1 molho + 1 carne + 1 tipo de queijo + legumes + alface + tomate), dá pra uma pessoa com muita fome e custa R$ 17,90. Tem também só salada (muitas opções de folhas e complementos), que vem numa tigela IMENSA, por R$ 17,90 também.

Ok, não é muito pobre, já que esse preço não inclui bebida. Mas o lado Starbucks deles é: sabe todos os tipos de café americanos? Lattes, mochas, decafs, que não existem em tamanho pequeno? Tem tudo, e pela metado do preço da cadeia de café já citada. Um café simples sai por R$ 3,30. Todos os chás são Twinings (tem Darjeeling, meu novo amor), também por R$ 3,30. Muffins imensos, brownies, frutas e bolos de cenoura, todos na faixa de R$ 4,50. E o grande destaque vai pro waffle, bem quadrado, bem americano, por R$ 4,90. Breakfast only.

O lugar é bacana, a freqüência é bonita, o som ambiente é agradável. No almoço é lotado, de tarde é o meu novo refúgio para meus late lunchs. À noite, não sei. Talvez na unidade Itaim vire balada…

Serviço
NYC NYC Sandwich Bar (o povo lê “Níqui Níqui”)
Av. Eng. Luis Carlos Berrini, 1444, Brooklyn
Av. Juscelino Kubitschek, 165, Itaim Bibi
São Paulo – SP
www.nycnyc.com.br

Natalli Tami

Ou seja – a Carrie iria se ela NÃO FOSSE A CARRIE.

Bom, a verdade é que o N’o Café é cheio de charme. Sabe daqueles lugares para você encontrar com as AMIIIIGAAAASSS e ficar conversando sobre o último boyzinho que você arrumou, as previsões do horóscopo e o próximo desfile da Balenciaga? Sim – é um local ótimo para ser fútil, e no entanto também é o local ideal para disfarçar e fingir que não é fútil. Afinal, você está na Vila Madalena, portanto deve saber o mínimo sobre MARKS e NEE – CHEE.

(Marks & Nee-chee? É uma marca novaiorquina que eu ainda não conheço?!)

O N’o Café não é barato – é, minha gente, o preço da futilidade disfarçada é CARO. Quando fui, comi o prato do dia, que era um galeto com salada verde e polenta com cogumelos e brie – TÁ? Saía uns R$ 25, acho… ou R$ 29? Bom, com uma bebidinha fica uns R$ 30 e poucos. A Bia e o Mano comeram x-burguer, mais barato, e ele era enorme e lindíssimo – eles aprovaram.

Também acabei tomando um capuccino com gengibre que DESCEU MACIO – R$ 5, dá para ir e tomar só ele depois de almoçar na casa dos pais em dias de contenção de despesas. Agora, caso você esteja num dia de LUXO PODER RIQUEZA & COBIÇA, experimente uma das cervejas finas e importadas que a casa oferece. Sarah Jessica diria: “It could be anywhere. But it’s here, in Saoum Paoulo”.

Serviço
N’o Café
R. Harmonia, 596, Vila Madalena, São Paulo – SP
Tel. 11-3032 4669

Jorge Wakabara

Para os dias em que os pobres querem ser ricos – e se dão o luxo de desfrutar alguns pequenos prazeres: depois de uma massagem no SPA do Hotel Renaissance, fui fazer um tour pelo local com a Antonia (a fofa que cuidou de mim lá – cuidou porque foi fofinha e eu estava cansada, precisando de cuidados!). Além de conhecer todo o SPA, que é ENORME, e a academia, cheguei a um agradável ambiente: o café ali na frente da academia – não achei no site o nome desse café, mas só tem um na academia, não tem erro! 

Era sábado, por volta do meio-dia, e não tinha muito movimento – raridade nas proximidades da avenida Paulista. Ótimo para tomar um café e ler tranquila o jornal ou a nova Vogue América com a Sarah Jessica Parker na capa, hein? A iluminação era natural, com um sol de outono deixando tudo muito mais gostoso (estava frio quando eu fui, logo, era outono de verdade!). Dá para pedir saladas e tem aqueles sucos orgânicos que vendem no Pão de Açúcar (de Clorofila, C, K… esses daí). O preço, ah, o preço…não faço idéia porque só passei por ali e não consumi nada, mas a dica é para se dar um luxo e café é sempre café – não pode ser uma fortuna… Bom para ir nos dias em que o pagamento sai!

Serviço
Hotel Renaissance
Alameda Santos, 2233, Jardins, São Paulo – SP.
Tel. 11-3069 2233

Maíra Goldschmidt

Olha, é outro post sobre café… e acho que vou virar setorista no assunto…

Uma das últimas matérias que fiz para a revista Joyce Pascowitch foi sobre sugestões de lugares cool para ir em algumas capitais brasileiras. E, por causa disso, lembrei de um café em Curitiba que eu adorei conhecer (até está lá na revista, mas é legal de verdade e vou repetir aqui – não reclama, Jorge!).

O Lucca Cafés Especiais é uma rede local (não reclama, Jorge!), mas não tem cara de rede. É bem cult, juro. Na unidade do Batel (bairro tipo Jardins, em SP), tem uma livraria no andar de baixo e sofás. Além de wi-fi, espaço para eventos e grãos selecionados moídos na hora, o atendimento é gato… quer dizer, pobre também come e paquera e beija na boca e tal, né?

Dá para ficar horas sem ninguém te apressar para sair da mesa – ou do sofá. Para curar ressaca é ótimo. Dá para ficar lá, largada, a tarde inteira! Adorei o cappuccino. Em Curitiba, os preços costumam ser mais baixos do que em São Paulo, então, vá sem se preocupar com dinheiro. E, se bobear, vai trombar por lá com gente como o diretor de teatro Felipe Hirsch, tá?

Serviço
Lucca Cafés Especiais
Al. Presidente Taunay, 40, Batel, Curitiba – PR. 
Tel. 41-3024 6950
http://www.luccacafesespeciais.com.br/

Maíra Goldschmidt

Pertinho ali da Pelu, na alameda Lorena, fica o Bella Gula Fast Bistrô, um restaurante por quilo que não é povão e nem é uma fortuna. A comida é honesta, com salada e duas ou três opções de pratos quentes (carne, frango, massa e os devidos acompanhamentos). Sucos e refrigente, café – não muito bons, mas quebram o galho – sorvetes e doces (aliás, o Bella Gula é uma rede de doces de Porto Alegre… nossa, estou falando de rede de novo… mas agora foi sem querer, juro!).

O lugar é charmoso, apesar do fast no nome. Quem frequenta é o povo que trabalha pelos Jardins mesmo – você vai ver muita bolsa Miu Miu e Marc Jacobs por ali – e até algumas voguettes. Fica cheio às 13h ou 13h30, então, às vezes tem espera de mesa (quinze minutos em média), mas vai ficando mais tranquilo conforme o tempo vai passando. Fica aberto para almoço, jantar e happy hour. E a conta, no almoço pelo menos, fica em torno de R$ 20 (com comida, suco e café macchiato).

Serviço
Bella Gula Fast Bistrô
Al. Lorena, 1295, Jardins, São Paulo – SP.
Tel. 11-3578 1350

Maíra Goldschmidt